14
Out
18:00 — 20:00
Terceira – Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro
Rua do Morrão, 42

Angra do Heroísmo, 9700-054
A carregar Eventos
  • Este evento já decorreu.

A Direção Regional da Cultura, através da Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro, promove um “Encontro com o Escritor”, desta vez com a presença de Laborinho Lúcio. Orador destacado, juiz jubilado antigo Ministro da República para os Açores, Laborinho Lúcio publicou recentemente o seu segundo romance, O Homem Que Escrevia Azulejos, que sucede a O Chamador em 2014. E transfere para a escrita todo o seu poder de convocação e discernimento, de atentar sobre a realidade, pensá-la e devolvê-la sob outro olhar, para que a questionemos também nós. Neste encontro falar-se-á do poder da literatura, das contradições da vida moderna, e da imperfeição do retrato que é, seguramente, o mais perto da perfeição que estaremos. A vida e a literatura podem ter mais em comum do que possamos pensar, e Laborinho Lúcio, como excelente comunicador que é, fará dessa simbiose o início duma longa conversa.

Álvaro Laborinho Lúcio nasceu em 1941. Magistrado de carreira, é Juiz Jubilado do Supremo Tribunal de Justiça. De 1980 a 1996, exerceu, sucessivamente, as funções de Diretor do Centro de Estudos Judiciários, Secretário de estado da Administração Judiciária, Ministro da Justiça e Deputado à Assembleia da República. Entre 2003 e 2006, ocupou o cargo de Ministro da República para a Região Autónoma dos Açores. Com intensa atividade cívica é membro dirigente, entre outras, de associações como a APAV e a CRESCER-SER, de que é sócio fundador. Com artigos publicados e inúmeras palestras proferidas, é autor de livros como A Justiça e os Justos (1999), Palácio da Justiça (2007), Educação, Arte e Cidadania (2008), O Julgamento – Uma narrativa Crítica da Justiça (2012), Levante-se o Véu, este em coautoria (2011), e ainda os romances O Chamador (2014) e O Homem Que escrevia Azulejos (2016).
Premiado na área da Psicologia, foi-lhe atribuída, em 2016, pelo Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados, a Medalha de Reconhecimento.
Foi agraciado por Sua Majestade, o rei de Espanha com a Grã-Cruz da Ordem de D. Raimundo de Peñaforte, pela sua ação como Ministro da Justiça no âmbito da União Europeia; e por Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa, com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo, pela sua ação como Ministro da República.
Entre 2013 e 2017, foi Presidente do Conselho Geral da Universidade do Minho. É Membro Eleito da Academia Internacional da Cultura Portuguesa.

 

Foto: Bruno Colaço/4SEE

PARTILHE ESTE EVENTO: