14
Outubro
10:00 — 17:30
Terceira – Museu de Angra do Heroísmo
Ladeira de São Francisco

Angra do Heroísmo, 9701-875
A carregar Eventos
  • Este evento já decorreu.

Tendo por base esse dinâmico e polissémico conceito do livro, um artista contemporâneo convoca, a partir da asserção de Mallarmé de que tudo o que existe no mundo acaba em livro, imagens e ícones de várias épocas e acontecimentos ou tão-só expressões e acasos dos gestos pictóricos para um conjunto de colírios, encadernados, com os quais se poderá observar, além de um lado táctil, cromático e odoroso, a reflexão do livro como artefacto e como museu ou centro aglutinador de ideias, anseios, factos, histórias, e, ao mesmo tempo, uma interrogação quanto às suas potencialidades como objeto artístico, de carácter individual e único.

Pretende-se com esta instalação de arte contemporânea intitulada Tudo no Mundo, existe para acabar em Livro, do artista Dionísio Souto Abreu, montada na Sala do Capítulo do Museu de Angra do Heroísmo, que será inaugurada no próximo sábado, dia 28 de abril pelas 15h00, assinalar o Dia Mundial do Livro, mostrando o trabalho de um artista firmado e reconhecido e realçando o papel relevante do livro no nosso imaginário e cultura (recorde-se que a 23 abril se assinalou o Dia Mundial do Livro).

A escolha do espaço é intencional e prende-se com aquilo que o artista pretende com a instalação. Falamos em instalação e não em exposição porque, para mostrar os seus livros, o artista concebeu incubadoras onde os mesmos estão colocados, para serem manuseados e observados. Cada incubadora dispõe de um genuflexório para que o usufruto das obras aconteça.

Não é intenção do artista subjugar o espectador, este poderá sempre recusar a interação com as obras, limitando-se a olhar para as incubadoras e para o lettering que estará numa das paredes da Sala do Capítulo. As incubadoras são apenas e tão-só o questionar a maneira apressada como decorre a vida hodierna e a relação de grande parte dos frequentadores de exposições e de museus, que passam os olhos de raspão pelas obras, mais preocupados em colher imagens das mesmas do que em vê-las com olhos de ver, refletindo sobre o que contêm, ao mesmo tempo que, por extensão funcionam como um desafio onde as ironias se aliam a outras perceções sobre a contemporaneidade, mormente o consumo massivo de imagens e a ausência de tempo e disponibilidade interior para se refletir e assimilar o que se olha de raspão e quase nunca se chega realmente a ver.

Dionísio Souto Abreu (Porto, 1962) fez a licenciatura em Artes Plásticas (Pintura) pela ESBAP, 1990. Foi selecionado pela ESBAP para frequentar durante o 2.º semestre de 1990 a School of Visual Arts (SVA) de Nova Iorque, a convite desta.

Realizou as seguintes exposições individuais

2002- “trompeLEI”- Galeria Canvas, Porto

1999- “Wille des Triumphs”- Galeria Canvas, Porto

1996- “Escopofilia”- Canvas & Companhia, Porto

1994- “…when Harold’s flowers Bloom…”- Galeria Atlântica, Porto

1990- Barkinghoggallery, Nova Iorque

 

E as exposições colectivas (seleção)

2012- “5 Séculos de Desenho na Coleção da Faculdade de Belas Artes da U.Porto”

-Museu Nacional de Soares dos Reis-Porto

2011- 8º Prémio Amadeo de Sousa Cardoso- Amarante

2009- 7º Prémio Amadeo de Sousa Cardoso- Amarante

2007- 6º Prémio Amadeo de Sousa Cardoso- Amarante

2001- Prémio Amadeo de Sousa Cardoso- Amarante

1997- VII Bienal das Caldas da Rainha

1995- Prémio de Pintura BCM’95- Cooperativa Árvore

– Prémio Nacional de Pintura Júlio Resende, Gondomar

– ESBAP FBAUP, Alfandega do Porto

1994- “Quando o Mundo nos cai em cima…” Centro Cultural de Belém

1993- Prémio BCM-Revelações 93- Cooperativa Árvore, Porto

1992- Prémio Jovens Pintores-Companhia de Seguros Fidelidade

1991- Prémio de Pintura da Confraria do Vinho do Porto

1990- Bienal de Gravura da Amadora

– Prémio Jovens Pintores-Companhia de Seguros Fidelidade

– “Etchings by SVA Students”- School of Visual Arts Gallery- Nova Iorque

1989- II Bienal do Pequeno Formato da Cooperativa Árvore

1986- V Bienal de V. N. de Cerveira

 

Obteve os seguintes prémios:

3º prémio da II Bienal do Pequeno Formato da Cooperativa Árvore- 1989

1º prémio (exaequo) do “Prémio de Pintura da Confraria  do Vinho do Porto-1991

Menção Honrosa do “Prémio Nacional de Pintura Júlio Resende”- 1995.

 

Cartaz: DR

 

Publicidade

PARTILHE ESTE EVENTO: