Open/Close Menu Todos os eventos dos Açores

O sol não é uma garantia. Mas qualquer açoriano sabe que o sol é apenas uma personagem secundária num banho, por exemplo. Às vezes até atrapalha, o corpo aquece muito e a água parece mais fria do que é na realidade, pois a sua temperatura no verão está apenas a um, dois graus da temperatura ambiente. Às vezes à noite até sabe melhor que durante o dia. Mas se fosse para falar do que sabe melhor à noite, nunca mais saíamos daqui.

1. Banhos no calhau.

Estava-se mesmo a adivinhar que o bicho ia pegar por aqui. A praia tem uma coisa chamada areia, e a piscina tem outra chamada cloro. Ambas têm doenças infecto-contagiosas para dar e vender. Calhau é tão Regresso ao Futuro II, quando eles estão mesmo no futuro. Não há areia, não há cloro, a água é mais limpa e oxigenada porque é filtrada pelas rochas. Plástico, infelizmente é um denominador comum. Entra aqui a teoria que se todos levarmos 3 pedaços para casa resolvemos o problema.

2. Comer atum. 

Queridos amigos é aproveitar. A safra começa pouco antes do Verão e a Agenda dos Açores desconfia que a muito curto prazo este peixe pode deixar de fazer parte dos nossos hábitos. Já está no limiar do impraticável e aparentemente só vai ficar pior. Os japoneses, que também ficaram sem eles, estão na disposição de dar muito mais dinheiro que nós para os comer, só para dar um exemplo. Sabem o que é bom. Sacanas.

3. Um gelado à italiana.

Existem gelados dos Açores e de empresas açorianas que são bons. Mas os italianos são simplesmente melhores. É como os japoneses e o atum. Bom, na verdade os gelados não são italianos, são sim feitos à italiana (Diga lá isto o que queira dizer), e com ingredientes regionais como a anona, o ananás, o maracujá, o limão galego, o abacate, bolacha mulata, etc. Em “italianês” são mesmo molto bons! Prego!

4. Ilhéu da Vila Franca.

Passar o verão inteiro e não ir ao ilhéu, é como nascer, crescer, viver e morrer em Benfica sem nunca ter ido ao Estádio da Luz, mesmo sendo do Sporting. É impossível. Crescemos a entrar de barco no ilhéu, lá acampamos e passamos momentos únicos. Agora só um barco liga o ilhéu à vila, só pode levar 400 pessoas por dia, é uma reserva natural e é o banho de uma vida. Depois do que dissemos, não aproveite rapidamente não.

5. Banho na Ferraria à luz da lua.

Foto: Tremor

A propósito de banhos de uma vida, ir à Ferraria em pleno verão é uma ideia que não concorre muito para este conceito de banho de uma vida. Mas se o fizer à noite, ou de madrugada, de preferência com a lua cheia, preenche de tal forma o conceito, que não vai lá caber dentro mais nenhum banho. E pode escrever aí num papelinho para guardar na carteira durante 20 ou 30 anos: um dia vou voltar.


6. Festivais de Verão.

Um começa já hoje, o Walk & Talk e vai até 14 de Julho. A paisagem da cidade tem mudado muito nos últimos anos graças ao W&T. Mas no verão dos Açores não faltam festas, música, concertos e outros que tais. São tantos, que mais parece um campeonato inter freguesias para a festa mais popular. Aliás, só em festas brancas dava para fazer todo um campeonato à parte. Ouvimos dizer que na Agenda dos Açores estão lá todos.

7. Fazer windsurf na Fajã de Santo Cristo.

Nunca se meteu em cima de uma prancha? Nós também não. Mas não é isso que o vai impedir de tirar uma fotografia em cima de uma prancha para partilhar nas redes socais. Não se preocupe porque nenhum amigo de verdade e que sabe que nunca fez windsurf na vida vai ver a fotografia. Mesmo assim, vai ter montes de likes.

8. Pôr do Sol nos Mosteiros.  

Tirando a paisagem, convenhamos que os Mosteiros têm muito pouco para oferecer. A praia não é nada de especial, porque é quase uma praia de pedra. Nem é calhau, nem é praia. Talvez estes sejam os melhores argumentos que podemos dar para visitar os Mosteiros. Estes e mais um último, leve uma garrafa de vinho e aprecie o melhor pôr do sol atlântico que alguma vez vai ver na vida. O vinho até pode ser de pacote, pois vai saber ao melhor do mundo.

9. Visitar outras ilhas de barco. 

Se nos tivessem pago, até falávamos do nome da empresa. Como não fomos, vamos fazer muito melhor, não vamos falar do nome e toda a gente vai saber quem é. Querem melhor publicidade? Pois é, no verão temos aí um barquito que anda de ilha em ilha a pegar e a largar passageiros e carros. Ora digam lá que não é o sonho de qualquer açoriano, sair de São Miguel dentro do seu carro e sair na Terceira?

10. Trilho na Ilha das Flores.

Andar a pé será provavelmente das melhores actividades, e está provado que se o fizer nos Açores, melhor ainda. Então se for para completar a grande rota da Ilha das Flores, um trilho com cerca de 47 km que dá praticamente a volta à ilha, vai perceber claramente que o mais importante não é a meta ou o fim, mas sim o caminho que se faz até lá chegar. Cansado, exausto, talvez até com alguma luxação ou entorse vai pensar que se calhar foi demais, bom demais. É natural.

11. Ver baleias.

Temos que pensar fora da caixa. Se tantos turistas escolhem os Açores como destino pela possibilidade de verem baleias é porque se calhar é uma cena fixe, não? A Agenda dos Açores já fez a brincadeira mais que uma vez, mas aquele dia em que vimos um cachalote nascer vai ficar para sempre na nossa memória. Isso, e o Marcelo Rebelo de Sousa de fato de banho no Pesqueiro.

12. Subir ao Pico

Foto: Amaro Rodrigues

É uma pergunta que temos medo de fazer aos nossos amigos, atendendo à quantidade impressionante de açorianos que ainda não subiram ao Pico, a começar por nós claro, criados dentro de uma redoma de vidro com o controle remoto na mão. Há que inverter esta estatística! Propomos viagens grátis ao Pico, visitas às adegas com degustação de vinhos e queijo, banhos de calhau e uma grande mariscada. Amanhã, subimos então ao Pico. Se acordarmos cedo e bem dispostos.

Sabemos que existem muitas mais coisas espectaculares para se fazer no verão nos Açores. As que puderes partilhar, deixa aqui nos comentários ou no Facebook da Agenda dos Açores.

Publicidade

PARTILHE ESTE EVENTO:

Logo_footer   

   

error: O conteúdo deste evento está protegido!